Orgânico

foto: Ricardo Ortiz

Para a biO2 o incentivo na produção e consumo de alimentos orgânicos, vegetais e pouco processados é um dever, pois além de serem mais saudáveis, são sustentáveis ao meio ambiente.

O que é?

Os alimentos orgânicos são aqueles que utilizam, em todas as etapas de produção, técnicas que respeitam o meio ambiente e visam à qualidade do alimento. Diferentemente da produção de alimentos convencionais ou derivados de OGM (Organismos Geneticamente Modificados, também conhecidos como alimentos transgênicos, que possuem o intuito de melhorar a qualidade do produto e a resistência às pragas locais), o sistema de agricultura orgânica visa produzir um alimento saudável para o consumidor final e também promove uma produção social e economicamente sustentável, recorrendo ao uso de adubo orgânico, sistemas de rotação de culturas, prevenção e controle das pragas naturais sem o uso de pesticidas, dentre outras técnicas limpas, indispensáveis para o sucesso de uma produção orgânica.

Esse tipo de agricultura reduz o impacto do aquecimento global no mundo, uma vez que os sistemas orgânicos retêm uma quantidade maior de carbono no solo e evitam a contaminação dos lençóis freáticos. Além disso, a produção orgânica cuida dos animais e da sociedade, pois o uso de agrotóxicos pode causar comprovadamente sérios danos à saúde do agricultor e de seus familiares.

Ao mesmo tempo em que a produção orgânica cuida do planeta, ela é benéfica à saúde do Homem. Os alimentos produzem naturalmente compostos bioativos, conhecidos também como fitoquímicos, como uma forma de proteção para as plantas, seja contra os ataques de insetos e herbívoros até contra pragas e doenças dos vegetais. No cultivo convencional, por serem utilizados pesticidas, os alimentos não ativam este mecanismo de defesa, e se tornam menos nutritivos e com maior risco de contaminação química.

Os fitoquímicos ainda são responsáveis por pigmentar os alimentos e são frequentemente ativos no corpo humano, trazendo benefícios para a saúde.

Os fitoquímicos…

Laranja e Amarelo: são ricos em betacaroteno, antioxidante que fortalece o sistema imunológico, percussor de vitamina A, reduzindo os riscos de doenças cardiovasculares. Fontes: mamão, cenoura, damasco, laranja, melão amarelo, abacaxi, etc.

Vermelho: o licopeno é o pigmento responsável pela cor avermelhada dos alimentos. Ele é um antioxidante que auxilia na prevenção de diversos tipos de câncer, incluindo o de próstata. Fontes: cranberry, tomate, goiaba vermelha, melancia, etc.

Verde: apresenta luteína, zeaxantina e clorofila que protegem os olhos, desintoxicam o corpo, regulam a pressão e reforçam o sistema imunológico, o sistema circulatório e o músculo cardíaco. Fontes: brócolis, couve, repolho, mostarda, acelga, ervilha, kiwi, etc.

Azul e Roxo: a antocianina é o pigmento antioxidante responsável pela coloração preta, púrpura e azulada de diversas frutas e vegetais. Previne contra doenças cardiovasculares, reduz o colesterol e previne contra o câncer. Fontes: berinjela, repolho roxo, amora, uva rosada, açaí, blueberry, etc.

Branco: apresenta alicina, que combate infecções e contribui para a redução do colesterol, triglicérides e pressão sanguínea. Fontes: cebola, alho, cebolinha, alho-poró, couve-flor, etc.

Existem alguns órgãos que podem auxiliar o produtor que queira iniciar este tipo de plantio, como a EcoCert (www.brazil.ecocert.com) e o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA (www.agricultura.gov.br).